[ resenha ] Fortaleza Negra, Kel Costa @grupopensamento

FORTALEZA_NEGRA_1404353395P

De uma inóspita região da antiga União Soviética, vampiros, até então considerados criaturas lendárias, surgem inesperadamente e põem fim à Guerra Fria em 1985. Usando seu poder mental extraordinário e sua força sobre-humana, os Mestres da Realeza Vampírica exigem a rendição dos líderes mundiais e se autoproclamam senhores absolutos do planeta. Anos depois, vivendo num mundo de relativa paz entre humanos e vampiros, Aleksandra Baker, uma garota de 17 anos, se ressente por não ter a mesma liberdade que os jovens do passado. Agora, além de viver sob o jugo dos vampiros, Sasha, como é chamada por todos, está apavorada com uma nova ameaça, a invasão de predadores letais: os mitológicos! Em 2013, diante dos terríveis ataques de centauros e minotauros, a família Baker não vê outra saída a não ser se mudar para a Rússia e morar entre os muros do único lugar onde é possível viver livre dos seus ataques: a impenetrável Fortaleza Negra, reduto da Realeza Vampírica. Mas a ideia de se mudar para a Fortaleza não agrada Sasha. Ela não gosta de vampiros e para o seu desespero, Helena, sua melhor amiga, vai ficar para trás, correndo perigo constante. O que a adolescente ruiva não esperava era que os Mestres da Realeza Vampírica fossem tão fascinantes. Principalmente Mestre Mikhail, que parece ter uma implicância gratuita com a garota e sempre a deixa nervosa com seu jeito arrogante e autoritário. Dividida entre viver uma vida trivial ao lado dos novos colegas de escola ou se envolver num mundo cheio de segredos, jogos de poder, sedução e protocolos da Realeza, Sasha ainda precisará encontrar uma forma de levar Helena para a Rússia e se manter a salvo dos mitológicos que rondam a Fortaleza. A única esperança são as pesquisas do seu pai, um biólogo que estuda uma forma de extinguir de vez essas criaturas. Para isso ele conta com a ajuda de Blake, um prodígio adolescente, que balançará o coração de Sasha. Mas a jovem talvez já esteja envolvida demais com a obscuridade de Mestre Mikhail…

Eu já sabia que a Kel Costa escrevia bem, pois assim que soube que ela lançaria um livro, fui atrás de uma fanfic dela e vi que talento ela tinha pra coisa. Poderia escrever um livro bem bacana. E foi ótimo confirmar que a transição dela de autora de fanfic para autora de livros deu muito certo com  Fortaleza Negra – A Chegada da Nova Era, publicado pela Jangada.

A verdade é uma só: Kel conseguiu ressuscitar meu interesse por vampiros, que estava adormecido há um tempo considerável.

Continuar a ler

[ resenha ] Desnamorados, vários @editoraempireo

WP_20140830_010

Desnamorados (Empíreo) é um livro colaborativo que buscou olhar para o amor de uma perspectiva diferente, menos clichê e mais autêntica. Para isso, o livro juntou diversos contos, crônicas e poesias de muitos autores, ilustrados por artes de diversas pessoas. A ideia do projeto foi espaço para o maior número de histórias possível, para que todas as contradições e semelhanças do amor fossem retratadas. Todo mundo pôde mandar seu texto através do site do projeto: www.desnamorados.com. A única regra foi usar sempre os nomes dos mesmos personagens: Pilar e Acir. Os textos foram selecionados para a publicação impressa e digital. (sinopse oficial)

Continuar a ler

O mercado editorial e o avanços tecnológicos

Com os avanços tecnológicos, alguns mercados mudaram bastante tornando outros obsoletos. No entanto, alguns permaneceram com bastante sucesso contrariando até algumas previsões.

Um desses mercados é precisamente o de livros que, com a facilidade e disponibilidade de acessar um livro on-line em qualquer computador, tablet ou smartphone, se pensava que pudesse vir a perder terreno para esta nova vertente digital. Mas aconteceu exatamente o contrário, até aumentou as vendas. Isto porque esses dispositivos (tablet, smartphones etc) possuem grande mobilidade e acoplam diversos recursos que não somente engloba a leitura.

ebook-tablet

Continuar a ler

[ resenha ] Passarinho, Crystal Chan @intrinseca

O avô de Joia parou de falar no dia em que matou o irmão dela. O menino se chamava John, e achava que tinha asas. Subia e saltava do alto de qualquer coisa, até ganhar do avô o apelido de Passarinho. Joia não teve a chance de conhecê-lo, pois Passarinho se jogou do penhasco bem no dia em que ela nasceu. Ainda assim, por muito tempo ela viveu à sombra de suas asas. Agora, aos doze anos, Joia mora em uma casa tomada por silêncio e segredos. Os pais culpam o avô pela tragédia do passado, atribuem a ele a má sorte da família. Joia tem certeza de que nunca será tão amada quanto o irmão, até que ela conhece um garoto misterioso no alto de uma árvore. Um garoto que também se chama John. O avô está convencido de que esse novo amigo é um duppy — um espírito maldoso —, mas Joia sabe que isso não é verdade. E talvez em John esteja a chave para quebrar a maldição que recaiu sobre sua família desde que Passarinho morreu.

Acho que fui com muita sede ao pote para ler Passarinho (Intrínseca), da escritora norte-americana Crystal Chan. Filha de um chinês com uma descendente de poloneses, a autora participa de uma campanha em prol de livros que tratem de diversidade cultural.

Nessa sua estreia literária, a premissa prometia ser tocante, então achei que ia me descabelar de chorar. Mas nem a garganta apertou. E vocês sabem que quando me emociono, choro meeeesmo, em qualquer lugar, sem vergonha de borrar a maquiagem e ficar que nem os caras do Kiss.

Mas então, o que aconteceu? Nem seu sei direito. Achei Passarinho um livro bonzinho… Mas, arrisco-me a dizer, um pouco sem sal.

Continuar a ler

[ resenha ] O Peculiar, Stefan Bachmann @galerarecord

O_PECULIAR__1399493031P

Escolhido um dos melhores livros juvenis de 2012 pelo Publishers Weekly. Stefan Bachmann começou a escrever o livro em 2010, quando tinha apenas 16 anos. Após a invasão do mundo pelos seres mágicos, as fadas foram aceitas entre os mortais, mas os mestiços não têm lugar, e a discrição pode ser a diferença entre a vida e a morte. Os irmãos Barthy e Hettie vivem com medo. Tudo piora quando Peculiares são encontrados, ocos, boiando no Tâmisa. Mas eles estão seguros em Bath, não? Talvez… Se não fosse pela misteriosa dama em veludo ameixa que aparece na vizinhança. Quem é ela? E o que quer?

Foi difícil decidir abandonar a leitura de O Peculiar (Galera Record), primeiro livro de uma trilogia, do autor Stefan Bachmann. O livro foi considerado um dos melhores juvenis de 2012, é indicado pelo Tio Rick (Percy Jackson) e li várias resenhas positivas sobre ele também.

Mas a verdade é que o livro é bom. Por que então não levei a leitura até o final?

Continuar a ler